TOETVA

Cirurgia de tireoide por vídeo e sem cicatriz

A cirurgia da tireoide por vídeo, chamada TOETVA, Transoral Endoscopic Thiroidectomy by vestibular approach, visa retirar a glândula tireoide sem deixar cicatriz no pescoço. A cirurgia sem cicatriz da tireoide também é feita sob anestesia geral, assim como a cirurgia tradicional.

COMO É FEITO O PROCEDIMENTO:

A incisão (corte) é feita por dentro da boca, junto a parte interna do lábio inferior. Nesse local são inseridos os instrumentos e a câmera de vídeo. Esses materiais chagam até a glândula tireoide, localizada na porção inferior do pescoço. A glândula tireoide, então, é retirada pelo corte feito junto ao lábio inferior. O paciente fica sem cicatriz aparente no pescoço.

INDICAÇÕES:

Não são todos os pacientes com nódulos de tireoide que podem ser submetidos à cirurgia transoral. Em termos gerais, a cirurgia é indicada para pacientes com nódulos benignos ou indeterminados à punção (PAAF), que tenham até 4cm de tamanho. Esse tipo de procedimento também pode ser usado para tratar câncer de tireoide, mas em casos selecionados.

RISCOS CIRÚRGICOS:

A cirurgia da tireoide sem cicatriz, TOETVA, tem riscos clínicos e anestésicos, assim como todos os procedimentos cirúrgicos, que dependem também do estado clínico do paciente. Mas tem também seus riscos específicos.

Em relação aos riscos específicos, a cirurgia por vídeo tem os mesmos riscos da cirurgia tradicional, como: sangramento, alteração na voz e hipocalcemia – cálcio baixo no sangue. A taxa de ocorrência dessas complicações cirúrgicas também é semelhante a cirurgia tradicional da tireoide.

 

Ler cirurgia tradicional da tireoide - https://www.marcoseferin.com.br/glandula-tireoide.

Mas existe um risco diferente da cirurgia tradicional da tireoide que é em relação à sensibilidade do lábio inferior. Os pacientes submetidos à cirurgia por vídeo da tireoide podem apresentar diminuição da sensibilidade do lábio inferior, onde é feito o corte.

RECUPERAÇÃO:

A recuperação nesse tipo de procedimento é semelhante à recuperação do método tradicional. O paciente, em geral, permanece hospitalizado por um período de 24h após a cirurgia. Pouca dor local é esperada. Podem surgir hematomas ou equimoses na região cervical, sem repercussão clínica. 

Atualmente, ocorre um crescimento diário no número de pessoas que se preocupam com a estética ou vivem da sua imagem. A cirurgia por vídeo, além se ser um procedimento seguro, permite a essas pessoas um tratamento adequado, sem o risco de uma cicatriz chamativa no pescoço.